Notícias

“Afetividades – Projeto Bem Me Quer” e a Capacitação em Cultura Afro-brasileira


11
setembro 2019

Aconteceu no dia 05/09 nas dependências da APAE- Caraguatatuba, uma tarde de Capacitação em Cultura Afro-brasileira, cujo o objetivo foi refletir sobre pontos relevantes sobre os afros decentes e suas marcas sociais, tais como:

  • O que é cultura Afro?
  • Qual a importância da comemoração do Dia da Consciência Negra?
  • Qual a importância histórica do Litoral Norte com relação chegada dos Africanos no Brasil?
  • A figura da mulher Afro, desafios históricos?
  • Preconceito Religioso, porque ele ainda persiste?

Estas e outras perguntas foram muito bem esplanadas pelo ilustre palestrante Profº Amador Marcondes, historiador e PCN (Professor Coordenador do Núcleo Pedagógico) na pasta de história e relações étnicos raciais, da Secretaria Estadual de Educação, DE- (Diretora de Ensino) de Caraguatatuba. O evento contou também com a presença de Teresinha de Oliveira Marciano Costa, presidente da Zambô –  Movimento Negro, localizado na R. Antônio Paulino Ferreira, 47 – Jaraguá. Caraguatatuba.

Ainda no evento, o grupo Afetividade – Projeto “Bem Me Quer” que é coordenado pelas Professoras Ms. Sandra Faustino e pela Profa. Dra. Divina dos Santos, ambas professoras do curso de Pedagogia do Centro Universitário Módulo e é realizado em parceria com a APAE, recebeu o convite para que seus integrantes possam participar das comemorações do dia da Consciência Negra (20/11/19).

Em função deste convite, o grupo está se preparando para fazer uma apresentação cultural, que será uma dramaturgia coreografada, chamada “DANDARA -Memória Africana”.  O pano de fundo irá trabalhar a figura da mulher afro descendente, sua ocupação na sociedade, em uma apresentação regada de tempero, beleza e muita resistência. O espetáculo tem este nome, pois relembra Dandara, esposa de Zumbi dos Palmares, uma das lideranças femininas negras que lutou contra o sistema escravocrata do século XVII.

Para consolidar a alma do espetáculo, os atores (integrantes do projeto), participaram desta capacitação, que na verdade. foi um laboratório formativo que proporcionou aos integrantes do projeto, apropriar-se do contexto histórico político-social do qual foram vítimas os africanos, sobretudo as mulheres.

A pesquisa laboratorial propõe justamente a submersão nas fibras mais inquietas que movem a criação teatral. A investigação do contexto histórico alimenta o imaginário do ator, sendo o ponto central para a qualidade da sua atuação em cena (palco).

Palestra do prof. Amador Marcondes.

Profa. Dra. Divina, Profº Amador, Profª Ms. Sandra, Profº Amador Terezinha da Zambô, Adenilda mãe de aluno, Cristiane diretora da APAE.

Dinâmica de abertura.

Participantes do evento.